Existem algumas coisas que não devem ser feitas no mundo do web design. São regras que muitos web designers mais maduros tendem a acreditar que são puro bom senso, que são “implícitas”. Mas quais são estas “regras implícitas”?

O que não fazer num site

Encontrei neste blog uma lista de coisas que webdevelopers não devem fazer quando estão criando um site para e-commerce ou vendas em geral.

1) Jamais altere o tamanho do browser do usuário

Sim, eu sei que você consegue usar aquele JavaScript na sua página, e como se fosse um mini-milagre, o navegador é redimensionado para cumprir sua vontade e deixar seu site com uma visualização pré-definida por você. Mas não faça isso.

Essa “técnica” é criada por pseudo-web designers (os famosos micreiros) que acreditam que devem controlar a experiência de navegação de cada usuário. Ninguém gosta de se sentir limitado, então por que você acredita que seria diferente com o seu usuário?

2) Não enrole o usuário antes dele entrar no site

Se seu site requer que o usuário carregue a página inicial e depois tenha que abrir o verdadeiro site em um pop-up, você perde. Embrulhe tudo, jogue no lixo e comece novamente. Se seu site não abre automáticamente assim que a pessoa digita o endereço e a mensagem não é mostrada logo de primeira, fica muito difícil de alguém ficar esperando para continuar o acesso no seu site (não importa o quão bacana é sua introdução em Flash).

3) Não faça o usuário ter que decidir entre Flash e HTML

Se seu site pergunta ao usuário qual versão que eles gostariam de acessar: a versão em HTML ou em Flash, você também perde. É como perguntar ao seu consumidor se ele gostaria de entrar na loja tosca ou na loja melhor, onde a “loja melhor” requer óculos especiais e uma espera de 30 segundos.

O que você está realmente perguntando ao usuário é “você quer sair agora e comprar da minha concorrência porque eu coloquei esse impedimento antes de você descobrir o que eu vendo?“.

4) Não faça sites inteiramente em Flash se você pretende vender algo

Se seu site é feito inteiramente em Flash, demita sua empresa de web development, e se você mesmo que criou, coloque no seu portfólio sob a pasta “Projetos inúteis que eu fiz” e comece de novo. Flash é uma ferramenta que serve apenas para impressionar. Ainda não encontrei um site bom em Flash que tenha uma excelente acessibilidade sem pesar ridicularmente demais.

E note que não tem como pular a abertura

E note que não tem como pular a abertura

5) Não tente reinventar a navegação do seu website.

Colocar o menu no topo, na esquerda, até na direita funciona porque você não quer tentar reinventar o jeito como pessoas interagem com interfaces digitais enquanto tenta vender o seu produto ou serviço. Pessoas ficam confusas, irritadas e depois vão embora.

6) Design web é diferente de design gráfico

Se você é um designer de impressos e faz sites como algo complementar, pare de criar sites e providenciar “conselhos” para seus clientes de impressos sobre web design. A diferença entre design de impressos e web design é como fazer o design de uma propaganda para um carro de corrida e realmente construir esse carro de corrida.

7) Seu site precisa ser acessível em outros navegadores

Seu site não funciona em Firefox? O ano de 1999 ligou e falou que quer a internet dela de volta. Acredite: há alguns desenvolvedores que não prestam suporte para outros navegadores.

Sim, na maioria dos mercados Firefox comanda apenas 10 a 15%, mas para alguns sites é uma porcentagem muito maior (alguns inclusive têm 80% de acesso vindo de usuários rodando Firefox). Além do mais, se a equipe que você contratou não fizeram seu site compatível com Firefox eles obviamente não sabem o que está acontecendo no mundo. A falta de conhecimento sobre Firefox por um web designer mostra que ele não está a par da cultura Web e isso é um péssimo sinal caso você seja um dono de negócio.

8) Por favor, evolua

Não estamos mais em 1999. Na verdade, estamos a mais de 10 anos desta data. Sob hipótese alguma use textos piscantes, marquees, Frontpage, pop-ups, download de fontes e introduções em Flash.

Se você considera sites com essas coisas como “sites bem elaborados”, você precisa olhar o ano do seu calendário. A web evoluiu e os web designers sensatos viram que essas porcarias citadas não agregavam em nada (e portanto, deixaram de usá-los).

9) Música de fundo é para sites de música

Se seu site é diretamente relacionado a música (ex: site de banda e não seu portfólio de design), não faça ela começar a tocar assim que o site é aberto. E sob hipótese alguma esconda o ícone de parar a música.

Muitos usuários navegam na internet em horário de trabalho, e alguns esquecem as caixas de som ligadas. Há ainda aqueles que escutam música no computador com fones de ouvidos a um volume baixo. Acessar um site que começa a tocar música faz qualquer um querer esganar o maldito desenvolvedor.

10) Procure utilizar navegação em texto

Mesmo que só fique visível quando as imagens são desabilitadas. Alguns aparelhos móveis ou pessoas com conexão mais lentas podem desabilitar imagens e sofrer com a falta de um menu legível.

11) Prefira mapas de site

Um mapa de site mais bem pensado com sub-seções lógicas é melhor que menus “drop-down”. Em termos simples, drop-downs nem sempre funcionam. Ou seja, talvez não rode em alguns navegadores.

12) Facilite encontrar informações

Se seu site precisa de um sistema de busca para o usuário poder encontrar informações, é bom começar de novo e demitir o cara que fez o mapa do site (e aqueles menus drop-down na navegação). Sistemas de busca são ótimos, mas se seu usuário precisar procurar por conteúdo no seu site, você já está irritando 50%+ dos seus consumidores.

13) Tempo de download é importante

Tempo de download ainda é um fator em mais de 70% dos internautas brasileiros. Embora você viva no mundo maravilhoso da ADSL ou internet a cabo, a predominância no Brasil ainda é da conexão discada. Se seu site é apenas para usuários de ADSL, não preciso nem te dizer que você está perdendo muitos consumidores.

14) Vídeos em Flash apenas

Se você tiver que colocar vídeo, não pergunte ao usuário qual a conexão dele ou qual player ele quer utilizar. A grande maioria não sabe qual a velocidade de conexão e nem sabem se eles sequer possuem Real Player, Windows Media Player ou Quicktime. Coloque seu vídeo embedded no Flash. O Flash ganhou a batalha em questão de vídeo faz muito tempo (é só ver o YouTube).

15) Não seja sempre o mais atual.

Só porque existe uma linguagem nova não quer dizer que você precisa usar ela em tudo. Lembre-se que alguns navegadores podem não estar aptos a essas mudanças.

16) Não controle o modo de navegar do usuário

Alguns sites não permitem o clique com o botão direito do mouse para “evitar a cópia”. Mas o que o desenvolvedor não sabe é que talvez o usuário use esse menu do mouse para tarefas específicas, como voltar de página, recarregar, etc. Além do mais, qualquer um pode simplesmente desativar o Javascript na sua página se ele realmente quiser copiar seu texto.

Essas são apenas algumas dicas do que não deve ser feito ao se criar um site – considere como um “erros mais comuns”.

O que mais você acha que web designers devem evitar de fazer?

Gostou? Compartilhe!

Comentários fechados