Na continuação do artigo “Teoria básica do Design – Ponto, linha, plano e volume“, Robson Godoy continua tratando dos elementos fundamentais do design: o formato, tamanho e textura.

Formato

O formato é o primeiro fator perceptivo, por isso é muito importante avaliar corretamente os formatos de cada elemento de uma composição (inclusive o da base).

Toda forma parte de três formatos básico: o quadrado, o circulo e o triângulo. A partir destas, podemos gerar infinitas alternativas de formato, cada um com suas peculiaridades.

É importante analisar o formato da base como parte da composição. Uma peça com muitas formas curvas e orgânicas, provavelmente não ficará bem posicionada em uma base triangular, mas se adequará com mais facilidade a uma forma com cortes curvos.

As formas da composição também têm grande influencia na sua leitura. Formas orgânicas têm uma maior tendencia a permitir uma leitura suave da imagem, pois o olho consegue “caminhar” através das curvas da imagem com facilidade. Já uma forma quadrada possui cantos acentuados, que se não forem bem distribuídos podem gerar “quebras” na observação da obra, pois a linha muda repentinamente de forma.

Formas triangulares têm uma característica especial, por terem pontas, muitas vezes funcionam como setas, direcionando bruscamente o sentido de leitura. Um triângulo cuja ponta é direcionada para fora da peça, tende a direcionar o olhar para as adjacências da mesma.

Mas é importante lembrar que toda forma pode ser usada, desde que o designer saiba adequá-la corretamente ao seu projeto.

Tamanho

Definir padrões de tamanho (grande e pequeno) é obviamente uma tarefa de comparação, pois o tamanho de um objeto é relativo aquilo que o cerca.

Para estipular o tamanho de um projeto, seja este gráfico ou de produto, é importante lembrar que o tamanho tem grande influencia em nossa percepção. Além disso, cada projeto se encaixa dentro de determinados tamanhos, sair destes formatos “padrões” pode ser o diferencial de seu trabalho, mas é importante lembrar que sempre existe um motivo para a padronização. Inove, mas não deixe de lado a funcionalidade.

Também é importante levar em consideração que cada tamanho tem suas peculiaridades. Por exemplo, tamanhos grandes geralmente não são apropriados para trabalhos com pequenos detalhes, pois são construídos para ter uma visualização de longe, logo os detalhes não seriam visíveis.

Por outro lado, tamanhos pequenos, como são observados de perto, exigem um acabamento e uma impressão mais refinada, uma vez que qualquer pequeno erro ficará em evidencia.

Textura

A textura refere-se às características de uma superfície, pode ser tanto tátil quando visual. Toda textura relaciona-se com a sua função visual, ou seja, podemos usar uma textura que se relacione com o contexto em que esta inserida, para reforçar ou completar uma mensagem ou para contrapor-se a ela, dependendo é claro, daquilo que o projeto exigir.

A textura no design também engloba a aparência ótica de uma superfície, ou seja, um papel fosco não reflete a luz da mesma forma que um brilhante, uma folha com textura não tem o mesmo acabamento que um liso; cada textura tem suas particularidades, que o adéquam a determinados trabalhos.

No trabalho com texturas é essencial saber antes de tudo exatamente o que ela vai representar no trabalho: uma contrariedade, um reforço na mensagem a ser transmitida, um aspecto diferenciador, etc., pois isso facilitara, e muito, na hora de fazer a escolha ideal. Texturas com elementos maiores geralmente são mais agressivas, enquanto texturas de grão mais fino são mais delicadas (mas é claro que isso não se aplica a todas as texturas).

Na maioria dos casos, a textura age como agente secundário, agindo como suporte e reforço à imagem principal reforçando o conceito visual do trabalho. Se for mal empregada a textura vai atrapalhar o olho, agindo apenas como um ruído visual desnecessário à composição.

No Design.blog a textura de fundo se comporta como elemento secundário da composição, reforçando o contexto visual.

E você, aplica estes princípios em seus trabalhos?

Gostou? Compartilhe!

Comentários fechados