O e-mail que mais recebo, de longe, é “Onde encontro uma tabela de preços para logo, flyer, site, banner, etc?”. Embora eu já tenha um artigo de como calcular quanto você deve cobrar, admito que ele é um pouco antigo e não tão completo. Então, neste artigo, vou ir mais a fundo na parte de tabela de preços.

Antes de mais nada, não existe um preço fixo de mercado na área do design. Algo que custa R$ 1.000 em São Paulo pode custar R$ 500 em Curitiba (pela mesma qualidade). E mesmo dentro de cada cidade os preços variam grotescamente, dependendo da qualidade do serviço, do produto e do conhecimento do profissional.

Um designer iniciante cobra menos que um escritório bem estabelecido no mercado. E um micreiro* cobra menos que o designer iniciante. Mas isto não quer dizer que o cliente vai sempre preferir o serviço mais barato – afinal de contas, o micreiro não vai ter o conhecimento e experiência que um designer sênior ou o escritório de designers bem estabelecido no mercado. Existem clientes para todos os tipos de mercado.

E por causa da competitividade da área, não existe como criar uma tabela padrão que todos devem seguir pois nem sempre a tabela se aplica aos clientes – a padaria do Seu José na esquina da sua casa não pode pagar R$ 5.000 por um logo, assim como cobrar R$ 500 para fazer a intranet mundial de gerentes de contas do HSBC não faria sentido pelo tanto de trabalho que você terá.

“Mas, Canha, como faço para calcular o valor do meu logo, flyer, site, etc?”

Já que seguir uma tabela é uma tarefa infrutífera, o ideal é criar a sua própria tabela. Mas como criar sua própria tabela de preços? Não é uma tarefa fácil.

Primeiro você precisa saber quanto tempo em média você leva para fazer uma determinada tarefa – vamos usar “desenvolvimento de logo” como exemplo. Ninguém pode te ajudar a determinar isto, então não me mande e-mails perguntando “Quanto tempo devo demorar pra desenvolver um logo?”. O único jeito de descobrir quanto tempo você demora para fazer uma tarefa é tirando a média de vários projetos.

Vamos supor que, em média, você demore 2 horas para analisar um briefing, 7 horas de pesquisa, 10 horas para gerar alternativas e escolher uma ou duas, 5 horas para digitalizar e mais 2 horas para criar uma defesa do seu projeto. Totaliza 26 horas em média. Trabalhando 5 dias por semana, das 9h até as 18h, seu logo deve ficar pronto em mais ou menos 3 dias assumindo que você irá focar 100% do seu tempo somente nisto e nada mais.

Neste exemplo, você trabalharia 180 horas por mês (20 dias úteis por mês) e deseja ter um salário de R$ 5.400, fazendo com que sua hora de trabalho custe R$ 30 (R$ 5.400 / 180h). Em média, o custo para desenvolver seu logo seria de R$ 780. Taí seu preço de tabela para desenvolver um logo.

Claro que esse valor é apenas um exemplo, pois você precisa levar em conta muita coisa antes de poder definir (seu público-alvo de clientes, relação qualidade de serviço / duração do projeto, diferencial, etc).

“Mas como vou saber quanto devo cobrar se não tenho nenhum trabalho ainda?”

Parece absurdo, ter que trabalhar pra saber quanto deve cobrar, mas não poder trabalhar por não saber quanto cobrar. Mas quem disse que os projetos que você vai fazer para tirar a sua média precisam ser projetos pagos? Escrevi um artigo sobre isto algum tempo atrás.

Outra maneira é fazer uma média imaginada e ir testando os seus valores até encontrar um valor ideal.

“Devo sempre seguir o preço da minha tabela?”

Não. Ele serve apenas como referência. Muitas vezes um cliente só vai querer o logo, sem o manual de aplicação da marca (ou seja, em formato digital). Outros vão querer que você aplique a marca a canetas, camisetas, caminhões, bonés, canecas, papelaria, etc. Isto exige mais tempo e, consequentemente, mais dinheiro.

Outras vezes o cliente vai pedir mais de uma refação – e muitas vezes, você precisa ir ao início do projeto, jogar tudo fora e começar de novo. Isto também gera um novo custo.

No xCake, temos uma tabela de preços. Mas cada blog novo é um caso novo: tem cliente que quer uma caixa de destaques, outro quer duas barras laterais, outro não quer ter barra lateral e quer deixar como portfólio, outros querem fazer um portal inteiro. Não posso cobrar R$ 1.000 em todos os casos, pois alguns serão mais complexos que outros – e não é ético cobrar o valor de um portal para um site de página única sem muitos detalhes.

Não se prenda a sua tabela, mas aprenda a calcular baseado nela. Infelizmente, não existe um método certeiro que funcione 100% das vezes – o único jeito é através da tentativa-e-erro.

“Devo usar tabelas de preços de concorrentes como base para fazer a minha?”

Aí depende. Minha resposta para 99% das vezes é não. Seu concorrente tem os mesmos custos que você? Ele tem mais ou menos empregados que você? A qualidade do serviço dele difere como em relação a sua? Qual o público-alvo dele? Geralmente as respostas serão muito diferentes das suas, então não vale a pena usar outra tabela como referência.

“Mas e se eu não conseguir nenhum cliente com minha tabela de preços?”

Aí basta repensar o seu modelo ou mudar o seu público-alvo. Lembre-se: tentativa e erro.

Você tem uma tabela de preços para os seus jobs de design? Ou você calcula cada job baseado nas necessidades de cada cliente? Comente!

Gostou? Compartilhe!
Você também vai gostar de

Participe da discussão!


  • http://twitter.com/#!/cellokitio_ Marcelo de Carvalho

    Bom post!, eu tenho uma pseudo-tabela de preços sim, mas, sou muito maleável, pois nem todos os casos voce cobra igual, mas tem que ter uma referencia sim, nao pode chegar na hora de cobrar e pensar o quanto vai cobrar, por que o cliente vai chorar no preço por isso, devemos estar preparados.

  • http://www.aperteplay.com.br Osmar

    Muito bom post Canha. Também calculo pelas horas gastas. Já apanhei demais com preços, hoje já to vivendo bem com meus freelas e com preços bons.

  • danillosg

    Muito interessante! Bom post. Durante muito tempo trabalhei de um jeito meio desleixado em relação a essa questão de preços, mas agora irei me organizar mais, até pq quero me dedicar mais a área e tentar viver com freelas assim como o Osmar (acima) falou. E como Canha comentou, para quem está começando a se organizar nessa área, tem q se lembrar sempre: "tentativa e erro".

    Valeu Canha!

  • http://www.difernandes.com Diego Fernandes

    Ótimo post.
    No meu caso, tenho uma tabela que serve mais como referência. E para montá-la, foi mais ou menos como no post: com o tempo pude ter uma noção de quanto tempo levo para fazer cada tipo de serviço. Cada situação tem fatores que aumentam ou diminuem o preço: tipo de cliente, complexidade do serviço, prazo, etc.

  • http://www.lecaldeira.com.br Alessandra

    Nossa Canha, que post ótimo!! Sou designer iniciante (nem por isso sou micreira, tá?! rsrsrs), tenho um emprego fixo, mas de vez em quando pego alguns freelancers… como o freela é só um complemento (por enquanto) eu peço um preço um pouco mais baixo e um prazo um pouco maior, nunca tive problemas quanto a isso e os clientes sempre foram muito compreensivos!
    Seu post ajudou muuuito viu!! Eu já tinha a tabela da ADG do livro o Valor do Design (aliás, aproveito para deixar a indicação aqui pro pessoal, tem modelo de contrato, códigos e ética profissional, sem dúvida é necessário para quem é da área), mas os preços dela são impraticáveis na maioria das vezes…
    Beijão e continue com o ótimo trabalho! passo por aqui todos os dias para ver se tem novidades!

  • http://designcomics.wordpress.com Felipe Alves

    Geralmente eu analizo o que o cliente precisa, o prazo para desenvolvimento e utilização.Com base nisso eu determino quanto vou cobrar pelo serviço.

  • Matheus Mattos

    Ótimo post! Tenho visitado o blog mas nunca comentei. Bom sou profissional (graduado) ha 3 anos e além do emprego, faço muitos trabalhos freela. Já apanhei muito com preços e com inadimplentes. Vale partilhar essa experiência de só fazer freelas com contrato assinado pois muitos clientes dão canseira pra pagar. Ah.. outra dica que implementei na minha formação de preços é a "taxa cliente chato" (não sei se é bom falar isso, mas lá vai). Funciona da seguinte forma: quanto mais chato o cliente mais caro fica o serviço. haha!.. EU utilizo e dá certo! Dá uma filtrada nos clientes. Assim tenho mais tempo pra me dedicar aos bons clientes. Valew galera!

  • http://www.johnndesigner.blogspot.com/ johnDesigner

    Parabéns muito bom o post!
    Eu trabalho em agencia a algum tempo e nunca me interessava por freelas até então.
    Mais com o tempo vamos ficando conhecido e os trabalhos vem sem vc precisar correr atrás, e é sempre bom estar preparado e ter o seu valor pessoal em mente, e este post me ajudou bastante a formar minha própria "tabela".

  • mitofreela

    Muito bacana o seu realismo como profissional e suas dicas!
    Hoje em dia, alem da prostituição do mercado e o grande aparecimento de novos profissionais, muitos designers ficam no dilema da tabela e do quanto cobrar. Acho que existe mercado para todos e, dentro disso, infinitas possibilidades de cobrar.
    Para novos designers a dica é: Tente! Descubra seu nicho! Nem sempre quem cobra muito baixo ganha o cliente! Porém, se submeter a prostituição do mercado não é fazer parte… é ser mais um! =D

    Parabéns pelo site, Canha!

  • http://www.thered.com.br Chris, The Red

    Oi, pessoal. Gostaria de sugerir a tabela de preços da ADEGRAF, a Associação dos Designers Gráficos do Distrito Federal, é uma tabela bem completa e acabou de ser atualizada para a versão 2011/2012, no site http://www.adegraf.org.br. Abraços. Chris, The Red.

  • http://www.kawek.com.br/mauriciopacheco Maurício Pacheco

    Adorei seu post! Vou passar a acompanhar todas as notícias do seu blog!
    Parabéns!

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002079271869 Paulo Rodrigues Malenga

    gostei so site continuem postando senas desta que ajudara em muito.. valeu

  • http://www.comofazergratis.com.br/ Como fazer Gratis

    Interessante que a informação do preço é até mais justo em vista do cliente por que você pode provar o por que daquele preco

  • Lopes Designer85

    valeu canha, acompanho seu blog faz alguns meses, e posso dizer que venho aqui uma 3 vezes por dia, sou designer iniciante, me formei faz pouco tempo e estou no meu segundo emprego na area, aida não é o dos sonhos mas é muito bom, estou aprendendo bastante, obrigado pela ajuda, realmente buscar conhecimento é vital em qualquer profissão imagine na nossa, sou designer com orgulho e por opção valeuu..
     

  • Pingback: O que fazer antes de virar freelancer? | Leoweb - Web designer

  • Jeanderson Caldas

    Primeiramente parabéns pelas informações nesse blog. Eu sou “morador” de Porto Velho Ro para não dizer que estou  escondido do resto da sociedade..rsrs  enfim sempre gostei de Desenhos qualquer tipo de Arte seja em papel ou virtual meu sonho foi sempre trabalhar nesse ramo. Aqui não existe curso para design e eu gostaria de saber onde tem os melhores cursos nessa área inclusive cursos a distância e como anda o mercado de trabalho nas empresas privadas e públicas?

  • Bega Gomes

    Ótimas dicas Canha, não conhecia seu site ainda. Gostei muito deste artigo. Moro no interior da Paraíba, mais precisamente em Campina Grande, e aqui temos um problema sério de quanto cobrar (de maneira justa) por um trabalho de qualidade, o mercado é menor então temos que fazer ponderações de valor. Faz um tempo que comecei a elaborar uma tabela de referência para enviar aos meus possíveis clientes (digo possíveis pq depois dos preços eles se assustam um pouco e não voltam mais a me procurar, bom, pelo menos foram honestos e pularam fora antes de me dá um calote), estou levando em consideração alguns fatores básicos como qualidade do serviço, tempo gasto, experiência e prazo. Abs.

  • Gustavo

    para designers, com formação na área e experiência, uma boa referência é a tabela da ADEGRAF. boa sorte!

  • Ana

    Muito bom o conteudo do post! Valeu muito a pena ler!

  • Pingback: Ferramentas recomendadas para Designers – Softwares e Plugins - YEPA NEWS

  • John

    As dicas são realmente muito boas, mas vendo o meu caso. Sou estudante de Design e estou cursando o terceiro período, frequentemente recebo pedidos sejam de amigos ou não para criar logos e etc. No começo eu até não cobrava pois contava como experiência mas to querendo começar a cobrar por isso, e realmente é dificil encontrar um equilíbrio… Principalmente por que ainda sou estudante…

  • Vinicius Lemos

    Devo mandar tabela de preços para clientes e prospéctos?

  • Dudu Designer

    Cara.. comecei a ler sobre seu blog.. Muito bom viu.. Está me ajudando muito ^^ Estou começando nesse ramo e ainda me julgo um noob rsrs’ entao quero me informar mais e aprender mais sobre o assunto. Obrigado e continue assim. Abraços!

  • Felipe

    Saiu algum artigo mais recente, desse ano ou pelo menos segundo semestre de 2012 relacionado a este assunto de quanto cobrar? Obrigado!

  • Cardoso

    Pra falar a verdade, até a educação do cliente eu coloco no preço, faze o que, as vezes 5 minutos com um cliente chato e mau educado parece horas de trabalho e pior stressante.