Acontece mais do que o esperado: você faz um trabalho pro cliente, ele gosta, você envia todo o material e espera o pagamento e nada. O que fazer nestas horas? Como evitar estes problemas?

Certa vez, algum tempo atrás, fechei um contrato com um cliente de desenvolver um site e mantê-lo por 12 mêses. Iria receber um salário fixo por isso. Nada mau. Comecei a desenvolver o site, mostrava, o cliente queria modificações, modificava, mostrava, mais modificações, mostrava, mais modificações. Tudo bem, estava ganhando por mês. Até que certo mês o pagamento atrasou. Atrasou uma semana, duas, três, um mês inteiro. Resultado? Parei de trabalhar. Comecei a cobrar, e o cliente me dá essa pérola: “você só trabalha por dinheiro, é?”. Oras, que pergunta digno de uma anta. Claro! Eu tenho contas a pagar, tenho que me sustentar. Não posso trabalhar de graça, tal como qualquer outra pessoa. No final, rolou uma briga e o site foi cancelado. Ele jogou dinheiro fora, eu joguei tempo fora. Nenhum de nós ganhou nada com isso, mas ele insistia “ah, mas pelo menos você recebeu dinheiro! Eu não ganhei absolutamente nada com isso!”. Claro que não ganhou! Mas eu também perdi com isso. Tive que desistir de outros clientes em potencial pois não tinha tempo. Perdi bons clientes e não ganhei o suficiente, resultado: saldo negativo.

Mas como evitar esse tipo de inconveniente? Oras, é muito simples! O primeiro passo a se tomar é a criação de um contrato. O contrato precisa ter tudo escrito, desde o que você vai fazer e o que você não vai fazer. É preciso dizer como que vai ser feito e pra quando que vai ser feito. Um ponto importantíssimo é constar que, se por algum motivo o projeto demorar mais tempo (por exemplo, o cliente pedir alterações vez após vez), o contrato precisa ser re-escrito e o valor do trabalho precisa ser redefinido.

Não é incomum no mundo de desenvolvimento web, por exemplo, que você se ofereça a hospedar o site do cliente em um host de sua preferência. Mas surge um gigante problema com isso: se o host der problema, o cliente vai vir atrás de você. Um jeito de solucionar isto, é falar pro cliente que ele que precisa arranjar um jeito de hospedar a página. Se ele não souber como, diga que você o fará mas que a responsabilidade do up-time e do funcionamento online da página é inteiramente do host. E por isso é importante o contrato: você vai escrever isso lá! Assim, se por algum motivo o servidor ir por água abaixo você estará protegido; não é problema seu. Afinal de contas, você não quer o cliente ligando no domingo de manhã reclamando que o site dele está fora do ar (acredite, isto acontece com muita frequência quando o cliente insiste em pegar um servidor gratuíto). Acontece também de pessoas plagiarem textos, colocando-as como texto próprio especialmente os artigos aqui do Digital Paper – mas isso é outra história.

Outra maneira de evitar que você não receba seu pagamento, é sempre pedir um valor de entrada. Eu custumo cobrar 25% de entrada para projetos maiores (acima de R$ 1.000,00), e 50% para projetos menores que custem menos de mil doletas. Você cobra o valor de entrada, faz o serviço, mostra o que foi feito, recebe a aprovação, recebe o dinheiro restante e só depois entrega o projeto pronto com toda a documentação.

“Mas Canha, o cliente não confia em mim. Ele quer que eu faça tudo, envie o material para ele e depois eu recebo o pagamento”. Fique de olho nestes clientes! Procure saber se ele é honesto antes de fazer isto. Existem pessoas que passam por cima de quem precisam pra conseguir as coisas de graça. Se o cliente não consegue confiar no contrato (assinado por você, por ele e por duas testemunhas em três vias), o assunto complica. Muitas vezes, o cliente vai ter dinheiro para contratar um advogado caso você tente passar a perna nele. Mas se ele fizer isso com você, convenhamos que a vida de freelancer não é das melhores e contratar um advogado para meter um processo no cliente vai lhe custar muito mais tempo e dinheiro. De qualquer maneira, o cliente mesmo com um contrato não confia em você? Procure outro cliente.

Me passaram a perna: fiz um trabalho, entreguei e não fui pago. E agora? Existem maneiras de resolver isto, algumas não muito éticas. Quando eu faço um site, me ofereço pra hospedá-lo. Eu só entrego a senha da hospedagem depois de receber o pagamento final. Se o cliente não pagar, tiro o site do ar e redireciono a URL para meu portfólio. E quanto ao desenvolvimento de um logo, por exemplo? Aí que complica.

Se você já entregou tudo nas mãos do cliente, insista por pelo menos mais um mês para que ele te pague o que deve. Ele não têm dinheiro? Que devolva o logo então, ou qualquer coisa que você tenha enviado. Depois do primeiro mês sem receber nada, passe a ligar todo dia no segundo mês. Não seja hostil, pois isso só gera um atrito entre você e o cliente e é capaz dele não pagar mesmo. Depois do segundo mês, procure enviar um pedido escrito junto com uma cópia do contrato destacando a parte sobre o pagamento, de preferência por carta registrada assim ele têm que aceitar. Três mêses e nada? Diga que ele têm até 15 dias para pagar, senão você processa ele. Quinze dias e nada? Veja com um advogado como fazer para botar mais pressão. Faça de tudo para que você não tenha que processar seu cliente. Por quê? Oras, a justiça brasileira não é famosa pela rapidez nem pelo baixo-custo. Provávelmente, você estará gastando mais dinheiro no processo do que estaria ganhando em primeiro lugar.

Resumindo:

  • Tente conhecer o cliente antes de começar a trabalhar com ele. Saiba se ele já passou por problemas antes. Se existe muita coisa ruim sobre ele, é recomendável ficar de olho ou perguntar cara-a-cara o que houve (lembre-se: uma história têm sempre dois lados!).
  • Escreva sempre um contrato detalhando tudo: o que você vai fazer, o que você não vai fazer, como que será feito, pra quando que será feito, qual o valor, etc.
  • No contrato, coloque que o valor e o prazo de entrega do projeto pode ser alterado caso fatores que não são previstos no contrato influenciem (por exemplo, alterações demais).
  • Peça um valor de entrada e conste isto no contrato. Um valor de 50% do total do projeto é geralmente o suficiente. Fale com seu cliente antes e negocie este valor.
  • No contrato é necessário constar nome, endereço, CPF e RG de ambos vocês.
  • Faça três vias – duas pra você e uma pra ele. Peça para ele conferir e assinar todas as vias. É interessante colocar mais duas testemunhas (geralmente, só o nome e CPF delas bastam, e pode ser escrito manualmente no contrato), e tê-las assinarem.
  • É interessante – caso você não emita nota-fiscal – emitir um recibo de profissional autônomo (RPA). Coloque seu nome, endereço, CPF, RG, diga que você reconhece que recebeu o valor de R$ X na data Y, tenha-o em duas vias e peça pra o cliente assinar ambas e ficar com uma.
  • Ao entregar o projeto final, certifique-se de que você está recebendo o pagamento no ato. Se possível, prepare um contrato de conclusão de prestação de serviço, onde você vai dizer o que foi feito, o que foi entregue e o que pode ser usado pelo cliente, além de informar que o pagamento final foi efetuado. O cliente não pode pagar na hora da entrega? Bom, informe-o que você entregará o projeto assim que ele puder.
  • Caso o cliente não pague, faça uma pressão. Se continuar não pagando, entre em contato com um advogado para ver o que pode ser feito.
  • Lembre ao seu cliente uma regra do marketing: “para cada pessoa infeliz com um serviço ou produto, ela comunicará a pelo menos 9 outras pessoas sobre sua insatisfação”. Como você estará infeliz com o serviço do seu cliente (no caso, a falta de pagamento dele), você têm toda a liberdade para informar a outras pessoas sobre seu problema. Mas cuidado! Você não quer ser processado por difamação de caráter. Então fale bem dele: “ótimo cliente, prestativo, atencioso, mas não paga pelos serviços contratados”. Funciona! Eles se mordem por dentro.

Lembre-se sempre de jogar limpo. Seja honesto com seu cliente e consigo mesmo.

Gostou? Compartilhe!
Você também vai gostar de

Participe da discussão!


  • http://worldorg.net Flávio

    Boa dica. Mas quando o cliente não mora na mesma cidade que você?

    Picareta e picareta, se eles conseguirem dar um golpe eles vão ficar felizes, e o mundo ta cheio desses **** xaropes.

  • Bruno

    Ainda sou meio novo nessa área mais profissional (mas é a área que eu amo). O que você quis dizer com “entrego a documentação”?
    Abraço!

  • http://www.digitalpaperweb.com.br Canha

    @Flávio – Neste caso, envie o contrato por FAX ou por correios. Não deixe nunca de ter esses documentos assinados.

    @Bruno – a documentação, no caso, pode ser o manual de marca ou a logo em versões abertas no Corel ou Illustrator (caso você tenha criado uma logo para o cliente), ou os dados de usuário e senha para o site, cd com os arquivos, dados úteis, etc (caso tenha sido um site). Documentação é tudo o que você fez colocado em formato físico (CD, papel, etc).

    Abraços

  • Bruno

    @Canha Ufa…! Já estava com medo de ter mais coisa que eu não sabia até sobre isso! =P
    Valeu =}

  • André

    Eu caço até a morte o individo, e é por isso que uma das gavetas do meu escritório só tem arma, qualquer coisa ta alí!

    ^^

  • http://www.monicafuchs.com.br Monica Fuchshuber

    Olá Canha,

    Você sabe que ‘logomarca’ é um termo incorreto.
    Então porque usa ‘a’ logo, ‘uma’ logo em suas respostas?

    Abs

    Mônica

  • Canha

    @Monica – eu tenho um SÉRIO problema em utilizar “logo” como masculino. É um daqueles hábitos que simplesmente grudam em você, sabe? Juro que estou trabalhando nisto.

    *lembrete pessoal – ir alterando todos os textos do DP que tenham logo no feminino.
    ^^

    Abraços

  • http://www.rodtramonte.com RodTramonte

    Meu caro Canha,
    se eu tivesse lido este texto há 3 anos atrás, qdo me aventurei pela carreira de freelancer, JAMAIS acabaria trabalhando de graça várias vezes… vc pode se considerar o salvador das vidas de milhares de designers e ilustradores com pouco tino empresarial… ;-)

  • http://www.blogdovelho.rg3.net Sheewbaka, o Peludo

    Não sei se é porque tenho 55 anos de idade, ou se sou muito diferente dos demais seres humanos, mas… É um absurdo que existam ainda profissionais de informática e Internet que desconheçam a importância documental e atuarial de um contrato! Caramba, Canha! Sua intenção é extremamente louvável, mas espanta constatar que muitos ainda não sabem sequer o que é “documentação”!!!

    • MB7

      EXATAMENTE , UM HOMEM COM A SUA IDADE TÁ MAIS QUE NA HORA DE SABER DAS COISAS…O POST É PARA INICIANTES E INEXPERIENTES …BLZA VOVÔ ? HJ VC DEVE ESTAR COM QUASE 60 NÉ ? HEHE

  • Alexandre

    Vamos pensar na situação inversa (aconteceu comigo), um cliente encomendou uma logo bem simples, estava sem tempo pra fazer e acabei terceirizando com um colega da área. Acertamos um valor, por exemplo 500. Sendo que 200 seria pela criação (ideia) e 300 pelo restante (midia impressa com o material em alta resolução para passar ao cliente). Beleza, o cliente aprovou a ideia (enviada em jpg com uma qualidade bem baixa), ele precisava do resto pq necessitava lançar na rua os folders, outdoors e colocar no site que estava sendo lançado. Passou 1, 2, 3 semanas e nada do “terceiro” mandar o material e muito menos aparecer pra receber, sempre tinha uma desculpa e dizia.. depois passo ai. Qdo passou 30 dias o cliente resolveu que nao dava mais pra aguardar, ligou e o terceiro passou a nem atendê-lo. Com isso o cliente contratou outro cara pra redesenhar aquela logo em qualidade alta (pq nao dava mais tempo de fazer uma nova, aprovar com os socios, e adequar o material ja montado com a temática da logo)… agora, 3 meses depois, a empresa do cliente está bombando, a marca pegou, ja tem uma identidade visual bem identificada. O terceiro me aparece querendo 4 X o valor acertado e dizendo que está com o material em alta qualidade pra entregar. Não preciso dizer que o cliente ficou p… e depois de re-captular toda essa novela disse.. te pago os 200 que acertamos para a criação, o restante não vou pagar pq tive que mandar outro profissional fazer e já paguei o cara, tendo em vista que vc me deixou na mão.
    Agora ta o cara fazendo ameaças de processo, que vai fazer e acontecer… que vai queimar a imagem da empresa no mercado.. bla bla bla.

    Acho que o “terceiro” nao está sendo ético.. o que acha?

    Abraço!

  • Canha

    @Alexandre – sem sombra de dúvida, esse terceiro não tinha o que querer.
    Se tivessem feito um contrato, provavelmente isto teria sido evitado. Mas a princípio, como o rapaz não entregou o que deveria ter entregado dentro do prazo o mesmo que vai acabar perdendo.
    Qualquer um veria que esse terceiro está completamente sem razão, logo acredito que o melhor seria ignorar ele do mesmo jeito que ele fez com vocês.
    Obrigado por compartilhar sua história.
    Abraços

  • http://www.igorcemim.xmb.com.br/ Igor Cemim

    Se você tiver condições financerias você pode utilizar o único método que funcionar no Brasil: ir subornando todo mundo e processar o cliente, mas isso é só pra se você quiser se vingar do cliente pois provavelmente vai sair bem mais caro.

  • Alessandra Maria

    Eu tenho uma dica para sempre receber pelos projetos. O site de empregos CATHO tem um site CATHONEGÓCIOS.COM.BR que tem um sistema de pagamento com GARANTIA. A gente só desenvolve o trabalho depois do contratante ter pago o valor contratado.

  • cintia magalhaes

    hummmm….é bom mais ja algo planejavel qualquer pessoa que trabalha com cobrança assim como eu ja tem tudo isso em mente…todos esses metodos naõ é segredo pra nimguem…prescisamos de algo mais eficas metodos mais convincentes,… e mais os picaretas qua nao pagam tambem ja conhecem todas essas formas de cobranças….

    esperava mais….

  • Canha

    Que bom que você já sabe de tudo.
    Parabéns!

    No mais, se tiver alguma sugestão por favor nos informe!

    Abraços,
    Canha.

  • Guilherme Lopes

    Gostaria de saber uma média de preço a ser cobrado por um projeto de marketing, pois estou começando agora e já tenho em vista alguns projetos para desenvolver, e estou sem noção de preço! Como está o mercado em relação a preços?? Agradeço a coomprensão!!
    Abç
    Guilherme

  • Canha

    Guilherme,
    Respondi teu e-mail ;)
    Abraços

  • http://conceitual.biz Éder Rocha

    Não há uma forma de pôr esses picaretas no SERASA/SPC ?

  • Evandro

    Olá Canha, estou começando a pegar alguns freelas, mais sei dá importância de se fazer um contrato bem detalhado. Pelo que vi no seu artigo, é importânte colocar pelo menos 2 testemunhas. A minha grande Dúvida é, se tem que registrar esse contrato em algum cartorio, reconhecer firma….ou simplesmente pelo fato de estar com as assinaturas do CONTRATANTE, CONTRATADO e TESTEMUNHAS já tem validade?

    Obrigado e Parabens pelo BLOG.

  • Emerson Web D

    tenho uma maneira mais facil, e acho que nem precisa de contrato.
    COBRE ANTES DO TRABALHO !

    mostre seu protifolio de trabalhos passados, se forem bons ou otimos o cliente te contrara.

    em vez de cobrar por mes, feche um pacote….

  • denise

    eu gostaria de saber se eu posso colocar na justiça uma pessoa que mim deve 39reais ja fas um ano e meio mas nao quer mim pagar e sempre aruma um descupa pra nao pagar o que mim deve

  • http://www.abreu.cm.br Abreu

    Fiz uma logomarca para um cliente, ele reclamou da logomarca, pediu várias alterações, no fim eu percebi que ele estava zoando. indiquei um outro profissional já que vi que não tinha condições de trabalhar com um sujeito daquele. Depois fiquei sabendo que ele já estava divulgando a logomarca que por curiosidade era a primeira que eu tinha oferecido. Não fizemos contrato já que ele disse que só fecharia quando eu apresentasse uma que fosse de agrado dele. Existe algum meio judicial que posso estar usando para, ou fazer com que pague pelo meu trabalho ou retire a logo que eu fiz?

  • Leo

    Primeiramente seu site é ótimo para troca de experiências. Nunca imaginei que passaria numa situação parecida dos comentários já postados. Bom resumindo a minha história fiz dois sites: o primeiro site a história é a seguinte: o acordo foi assim seria desenvolvido um site em que teria a primeira parte (site provisorio) a segunda parte (que é problema agora ) e a terceira seria os retoques finais( criação de software para a manutenção online do site) . Essas três partes comentadas seria o numero de parcelas do valor a mim pago . Quando coloquei no ar a segunda parte o cliente pediu umas modificacoes até tudo bem, mas dependia de uma pessoa para repassar material tipo fotos e coisas assim . Fiz o que me cabia ou seja modifiquei conforme o material que tinha , mesmo contantando a pessoal responsavel por esses dados ele nao me repassou nada naquele momento. Mas mesmo assim coloquei as modificaçoes no site e depois de dois dias deixando recado para o cliente tentei ligar no celular do mesmo informando as tais modificações e ver se ele poderia acertar a segunda parcela . Resumo desligou na minha cara desde esse momento tirei o site fora do ar . espero ate hj (aprox.: 3 dias) que o cliente não retorna ligação. OBS: fui na confiança de não digitar um contrato.

  • pedro

    valeu.

    pedro

  • Pingback: Tweets that mention Como evitar o cliente que não paga? | Design.Blog.br -- Topsy.com

  • http://www.lucassanchez.com.br Lucas S

    Cara, tive um cliente a não muito tempo que simplesmente não pagava nada do site. NADA.
    Ligava, ele nunca estava, mandava e-mail nunca estava. E o pior, ele continuava a mandar atualizações. Eu com medo de não receber fazia as atualizações. Até que uma hora fiquei puto e não fiz mais nada, só faria no momento que acertássemos um valor e data de pagamento. Expliquei pra ele que tinha custos e o problema nem era o não recebimento e sim a falta de informação que tinha sobre o pagamento. Comentei que nem queria o dinheiro agora, só uma data para poder agendar o pagamento.

    Acabou que cancelamos as atualizações no site e ainda tive que baixar 30% do valor final do site para poder receber em 3 vezes pra começar só depois de 2 meses.

    A vida não é fácil, abraços.

  • Jonas D. Corrêa

    Olá Canha adorei esse Post!

    Mas eu gostaria de Saber se voce tem um modelo de Contrato para enviar por EMAIL!

    Pois eu não sei nada sobre isso, gosto bastante de Design, se voce puder me ajudar agradeço!!!!

    MEU EMAIL é jonasdcorrea@gmail.com

    • http://design.blog.br canha

      Olá Jonas,

      Fico feliz que tenha gostado do post. No entanto, peço para que leia as Regras de comentários logo abaixo.

      Abraços.

  • Amanda Belela

    *—————* Parabéns ‘ 
    Post excelente ! 

    - maas sabe de algum modelo de contrato, um link e tals?

    Desde de já muito Obigado! 

  • Pingback: Linkagem da semana | Melhor Ângulo

  • http://www.facebook.com/pedrox.h95 Pedro Henrique de Souza

    A melhor maneira, em caso de sites, é hospedar no seu servidor e depois instalar no dele, após o pagamento. Então você exclui (ou não) do seu servidor e final feliz (ao menos é um incentivo a pagar).