Seja como profissional autônomo ou trabalhando para uma empresa, o profissional em edição de vídeos pode atuar em vários ramos diferentes, sendo que cada um deles irá exigir mais ou menos conhecimento sobre as ferramentas de trabalho e tendências de mercado.

Os campos de atuação de um profissional na edição de vídeo podem ser muitos. Alguns trabalhos exigem mais prática e outros um pouco menos. Obviamente, quanto mais experiência, melhor será o resultado final, já que cada pequeno detalhe pode fazer uma grande diferença até mesmo em uma simples apresentação de slides. Isso não significa que um profissional experiente não possa trabalhar em um projeto simples, mas sim que para alguns tipos de trabalhos, além de ter boas ideias e boa vontade, é preciso ter muita experiência. Para não ficar para trás nesse ramo, tenha em mente alguns pontos chave:

Esteja sempre antenado e atualizado

Assim como no design gráfico, quando aparece no mercado de vídeos algum estilo de animação ou tratamento de imagem novos, muitos clientes que viram tal efeito no anúncio da concorrência, exigem que também utilize essas novidades em seus trabalhos. Caso você não conheça ou não saiba como fazer, seu cliente irá buscar outro profissional que o faça. É realmente muito difícil mudar a ideia formada de um cliente, apenas para se adequar à falta de experiência do designer ou editor.

Busque sempre aprender algo novo, mesmo quando (ainda) não for necessário

Como já comentado na “parte 1” desta matéria, não importa qual ferramenta você utilize, sempre será possível encontrar na internet tutoriais e dicas para você aprender novas técnicas. Um bom profissional deve sempre ter mais a oferecer do que a demanda. Às vezes, um pequeno “toque” que você adiciona ao vídeo, somado a tudo o que foi solicitado, pode fazer com que o freguês além de gostar do seu trabalho, volte mais vezes para realizar outros projetos e também adicione elogios quando comentar de você a outros possíveis clientes.

Vá além do que aprendeu. Crie! Inove!

O primeiro item falava sobre as tendências e as novidades do mercado. Mas quem cria essas novidades? Quem disse que não pode ser você?

Com o passar do tempo você irá entender a matemática da edição de vídeo, e assim tudo irá parecer mais fácil e intuitivo. É nessa hora que irá reunir o conhecimento adquirido para formar novas técnicas e efeitos. Isso, sendo útil ao mercado, fará com que outros profissionais tentem os mesmos resultados, mas quando conseguirem, a sua técnica já estará um passo à frente, trabalhando com perfeição e criando novas formas de aplicação.

Conheça o mercado

Tudo bem que essas dicas podem valer para quase todos os ramos, mas queremos mostrar onde elas se aplicam no mercado dos editores de vídeo.

Saber quanto cobrar por minuto de edição, qual tipo de vídeo é mais caro, qual é mais simples, o que o cliente imagina, trabalhar dentro de contratos de apresentação e reapresentação, são algumas dicas para não ter dores de cabeça na hora de aceitar um trabalho. Para os designers gráficos que se aventurarem nas edições de vídeo, muitas coisas nunca mudarão. Muitos clientes irão lhe passar um material de baixa qualidade, irão mudar de ideia na última hora, irão pedir coisas impossíveis (lembrando que, para julgar algo impossível, você deve ter muita experiência mesmo, ou então irá passar vergonha), não irão valorizar o seu trabalho, etc.

E quem deve valorizar o seu trabalho? Ora, primeiramente você! Vídeos bem produzidos não podem ser vendidos às dúzias na feira e, se seu cliente não souber disso, ele nunca vai entender o valor de uma boa produção. Até porque, se ele entendesse de vídeo, ele mesmo faria.

Dedicamos este artigo principalmente ao designer gráfico que busca ampliar o seu currículo. Não comentamos sobre noções estéticas ou bom gosto, pois entendemos que o bom designer vai saber aplicar a experiência que obteve no mundo estático ao universo de movimentos da edição de vídeos.

Gostou? Compartilhe!

Comentários fechados