Cada email que você envia ajuda a fortalecer os valores de sua marca pessoal e seu valor como profissional, muitas vezes a melhor forma de gerenciar esses valores é através de uma assinatura visual própria e pessoal.

Cada vez é mais comum encontrar profissionais freelancers, principalmente no Design, e com toda essa demanda de profissionais, fica evidente a necessidade de estabelecer “valores de marca” sobre si mesmo, ou seja, criar e gerenciar uma marca pessoal para estabelecer valores perante seus clientes.

Com a facilidade de acesso a informações, redes sociais, etc. todos estamos conectados 24 horas por dia, 7 dias por semana. Toda essa facilidade de conexão tem um lado bom e um lado ruim. Por um lado temos uma grande facilidade em estabelecer contatos com clientes e outros profissionais, trocar informações nunca foi tão simples. No entanto, isso também dificulta na hora de se destacar entre os demais profissionais.

O que considerar na hora de criar

Criar uma identidade visual é uma tarefa sofrida, que exige muito trabalho e nem sempre alcançamos o resultado imaginado no início do projeto. Quando se trata de um logotipo pessoal a tendencia é que o trabalho se torne ainda mais difícil, uma vez que podemos nos prender as primeiras ideias (que muitas vezes não são as melhores), fora o fato de que esperamos sempre um trabalho magnífico, e isso nunca é simples de se fazer.

Segundo o livro “Design de Identidade da Marca”, a identidade visual pessoal deve responder, essencialmente, 4 perguntas:

  • Quem é você?
  • Quem precisa saber?
  • Como eles vão descobrir?
  • Por que devem se importar?
mysterious face via Shutterstock

mysterious face via Shutterstock

Construir e gerir uma marca é criar e solidificar sua reputação não apenas como profissional, mas também como pessoa pública. É importante lembrar que como profissional você terá inúmeros pontos de contato, e sua identidade deve se comunicar de forma eficiente com o maior número possível deles. Alguns pontos de contato comuns são:

  • amigos;
  • família;
  • colegas;
  • empregador;
  • comunidade online;
  • associações profissionais;
  • concorrentes profissionais;
  • público geral;
  • governo;
  • associações sociais;
  • prestadores de serviços;
  • vizinhança;
  • conhecidos.

Para criar uma identidade que se comunique com todos estes pontos de contato (ou a maioria deles) é preciso muito trabalho e um tempo razoável de maturação de ideias. Uma metodologia de criação também ajuda bastante, mas acima de tudo é importante se ver como cliente e não fazer aquilo que você gosta, mas sim seguir a linguagem adequada ao seu público.

Capa: Showing the best candidate via Shutterstock
Gostou? Compartilhe!

Comentários fechados