No artigo passado sobre o WeDoLogos e #porraglobonews, vários comentários perguntavam sobre como agir perante microempresas: cobramos nosso valor padrão (que pode ser demais pra eles) ou damos um jeitinho? A minha sugestão é simples: aprenda a escolher seus clientes.

logos-por-apenas-r-100

Muita gente apontou que algumas associações de designer gráficos recomendam cobrar de R$ 500 a R$ 2.000 por uma identidade visual. Até mesmo o valor mais baixo pode ser muito para uma microempresa que está iniciando no mercado; empresa que ainda tem que alugar um escritório, fazer toda a papelada para estar legalmente cadastrado na junta comercial, contratar contador, comprar equipamentos para seu negócio, contratar funcionários e ainda ter uma grana de reserva sabendo que ele pode ficar ainda alguns meses sem lucrar.

Nos comentários, Sidney escreveu:

A própria abcDesign publicou em seu encarte especial da Brasil Design Week 2009 que segundo o BNDES “as MPESn (Micro e Pequenas Empresas), representam 97% dos negócios brasileiros”, e mais segundo o Edson Fermann do Sebrae Nacional (nesse mesmo encarte) “Se o design entrar no DNA de 5% delas, ou seja, mais ou menos 280 mil, vai faltar escritório”. Então (voltou a pergunta) o que nós designers estamos fazendo para alcançar esse nicho?

De fato, uma empresa que vê a necessidade de ter algum tipo de identidade visual vai querer procurar o mais barato possível. As empresas nem sempre tem noção da importância de uma identidade visual – e convenhamos, nem sempre é importante. Sim, pasme, falei isto! Nem toda empresa precisa de uma identidade visual.

Qual empresa não precisa de uma identidade visual?

Para citar um caso apontado nos comentários pelo Ronan:

Assim com li na abcDesign (…), tem clientes no mercados que o designer não vai querer atender. Quais clientes são estes? A Do’Maria que abriu sua mercearia e precisa apenas de um logo para criar uma placa luminosa na fachada, e não pode gastar mais que 100 reais no pagamento. Como o profissional deve se portar em uma situação como esta? Aceitar ou não aceitar o trabalho tendo em vista o pagamento simbólico e a necessidade (mínima) da Do’Maria?

Ela de fato não vai precisar de uma identidade visual bem elaborada. Ela não vai fazer flyers, não vai abrir um site, não precisa fazer uniforme para o único funcionário dela, etc. Ela não pretende fazer da mercearia dela uma franquia, expandir para sete outros estados do Brasil e eventualmente tornar-se uma franquia internacional. Ela só quer abrir sua mercearia de bairro. Ela precisa de uma identidade visual de R$ 500? Não.

Como foi dito, existem maneiras diversas de tratar o caso da Dona Maria quando ela entrar em contato e pedir um logo, avisando que possui um orçamento de R$ 100:

1) Fazer algo simples, que não atenda perfeitamente a todas as necessidades dela;
2) Fazer algo estonteante, como se ela estivesse pagando os R$ 500;
3) Rejeitar o trabalho, fazendo com que ela tenha que se virar com um micreiro;
4) Fazer micreiragem – ou seja, um trabalho “nas coxas”, porco e sem gastar quase nada do seu tempo.

Além destas, existe a possibilidade de facilitar o pagamento ou trocar por outra coisa; ela não consegue pagar os R$ 500? E se você fizer em 5x? Ou até mais? E se você trocar o serviço por R$ 250 em créditos na mercearia? Que tal patrocinar a mercearia; você faz o logo de graça e em compensação pode colocar um banner seu ou deixar cartões de visitas do lado do caixa?

Existem mil maneiras de contornar um job destes. Afinal de contas, o design precisa ser também uma profissão com consciência social. Precisamos ajudar a melhorar o mercado, mesmo que isto signifique sacrificar algumas horas em um logo que não vai te cobrir os custos mais básicos.

Se a mercearia da Dona Maria ter uma placa luminosa com um logo bacana, quando outra empresa for se instalar na região (e já tem planos de crescimento) eles vão pensar duas vezes antes de colocar uma placa amadora à disposição; afinal de contas, ninguém quer ficar com uma aparência amadora num bairro que conhece um trabalho bom, não é?

Logo da Mercearia Dona Maria

Eu teria cobrado R$ 100 só pra ela não usar um clipart e Comic Sans.

Você quer que eu trabalhe de graça?

Se você entendeu isto, você não entendeu direito. A mercearia da Dona Maria é uma exceção. Estou falando de uma microempresa que não vai depender em ter um visual legal para sobreviver. É uma empresa que só vai atuar no seu bairro, vai sempre ser pequena e não tem o objetivo de crescer mais do que isto.

Minhas sugestões são unicamente para empresas que, de fato, não tem os R$ 500 a R$ 2.000 para investir numa identidade visual – não as empresas que NÃO QUEREM pagar mais de R$ 500.

Não digo para você focar apenas em empresas que só podem pagar um valor abaixo do seu custo; faça estas concessões a empresas que realmente precisem delas.

Pare de reclamar e faça algo!

Queremos mudar o mercado e mostrar a importância do design, sempre citando empresas como Apple, Coca-Cola, Lucky Strike, etc e esquecendo das empresas que realmente movem o país: as pequenas e micro empresas. Como podemos esperar que o design evolua a algo importante se a gente não demonstrar isso dando o braço a torcer em alguns casos?

Em vez de ficar reclamando que estamos perdendo lugar aos micreiros, saiba escolher melhor as suas batalhas: o logo da mercearia pode te render trabalhos melhores no futuro, ou até mesmo algum prêmio social (e consequentemente, exposição no mercado).

O que você pretende fazer para melhorar o mercado do design no Brasil? O que você sugere que todos devemos fazer? Comente!

Gostou? Compartilhe!
Você também vai gostar de

Participe da discussão!


  • http://www.theflamingpie.com.br/blog the flaming pie

    Texto brilhante, mas uma questão a ser levada em conta:
    Qual será o impacto a médio/longo prazo da exposição da mídia sobre a WeDoLogos e seus similares? Imagine a coisa se popularizar. Será que chegue ao ponto de uma grande empresa ir atrás de um profissional, onde este lhe passe o orçamento, e depois o cliente diz:"a WeDoLogo faz mais barato".

    Eu temo que isso possa avacalhar outros tipos de mercados

    • http://design.blog.br canha

      Por isso da necessidade da gente tentar se adaptar em alguns casos. Alguns logos no WeDoLogos são realmente horríveis. Se um empresário não notar isto e preferir ir atrás de um destes serviços, quem se dá mal no final das contas são eles.

    • http://twitter.com/leandro_rm3 @leandro_rm3

      Mostre a qualidade que vc oferece… ponha um prazo para o valor do Job, se ele voltar… aumente o preço, pois o valor anterior não é mais válido. Se ele voltou é por que viu que não compesaria e/ou não obteve o resultado esperado e nada mais justo você mostrar que o barato sai caro!!!!

      • http://twitter.com/LuedyCosta @LuedyCosta

        Concordo com o Leandro. Se o cara achou que aquele preço estava caro para CRIAR uma identidade visual e depois descobriu que era o justo e voltou, faça ele pagar uma taxa a mais pelo REDESIGN da identidade dele. E mostre toda sua capacidade neste trabalho, sem birra com o cliente, pois quando ele sair do escritório eu já vai saber o valor do BOM design.

    • deividfilipe

      Pra mim isso é so um motivo pra nos designers trabalharmos como nunca antes na historia dessa profissão.

      pq aí quando o cara que compro sua logo no WeDoLogos colocar a logo dele do lado de uma feita por um profissional ele vai morrer de vergonha. e perguntar pro dono da outra empresa "nossa!! quem desenvolveu sua identidade visual??".

      a aí meus amigos mais um que aprendeu o valor de um designer.

  • Davi

    Ótimo post. É exatamente a realidade do principal cliente para designers no Brasil, micro-empresas.
    Esse pensamento também pode ser aplicado pra websites e outros serviços que chegam na gente. :)

  • http://editandoo.blogspot.com Gabriela

    Adorei o post, nós devemos ter essa noção de atender também as micro-empresas! São estes pequenos trabalhos que podem nos dar oportunidades furturamente ;)

  • http://www.cenovi.cz Rodolpho Cenovicz

    grande canha!
    ótimo artigo, como de costume.
    abrax!

  • http://twitter.com/leandro_rm3 @leandro_rm3

    No bairro em que moro atualmente encontro várias "Dona Maria" pela região, e sempre me questionei por quê não fazem uma Identidade Visual melhor… agora sei o por que!!! Porque eu e nenhum outro designer foi capaz de ir oferecer um serviço de qualidade a elas, pensando justamente no custo do Job. Após ler este artigo… acredito ser vantagem em colaborar com as pequenas empresas, pois é um meio de divulgar trabalho de qualidade e trabalho de qualidade chama cliente com qualidade,isto é, você começa coma Dona Maria, Sr José… os clientes destas pessoas podem trabalhar em empresas médias e depois será questão de tempo para que você seja indicado para uma empresa de grande porte.

    • http://conceitostudio.com.br Fabian Bonorino

      essa é minha estrategia eventualmente. Não da para pratica-la sempre, mas faço eventualmente para “prova e divulgação” ou “plantar a semente”, com o tempo vai havendo bom retorno, boca a boca, etc.

  • http://twitter.com/leandro_rm3 @leandro_rm3

    E outra coisa, o preço de um Job deve entre outros fatores levar em consideração o porte da empresa: se ela fatura R$10.000,00 no mês é um coisa (risco de problemas é menor),outra é um Job para uma empresa que fatura R$1.000.000,00 no mês (risco maior), então o valor tem que ser compatível!

    Enfim, vou planejar uma estratégia para atender a minha região… pois são eles que vão me levar aos grandes!!! "" a voz do povo é a voz de Dus" não pude evitar!!!

  • Diego de Oliveira

    Excelente post. Venho acompanhando o Design.Blog.br a algum tempo e devo confessar que ultimamente tem sido uma ótima leitura. Um lugar pra encontrar conteúdo e ética. Parabéns, Canha.

    E por falar em ética, gostei muito desse post, espero que ele possa conscientizar designer que só se preocupam com o dinheiro, verem qual é a missão da profissão.

  • zangief

    pode ser que eu esteja falando besteira, mas, além da questão do glamour, muitos designers evitam clientes pequenos por serem mais propensos a pedir refações nos trabalhos

    • http://conceitostudio.com.br Fabian Bonorino

      a solução neste caso e deixar bem claro num simplificado contrato de que alterações exigirão pequenos reajustes no valor. Mas todos pedem refação né…a diferença e que quando o valor pago é maior vc aguenta mais refaçoes..rsrs.

  • Sidney

    Um ponto central deste post que acho importante mostrar é que ao pegar esse tipo de trabalho o designer pode começar a " educar" o cliente na cultura de design. Exemplo: Se um designer pegar e fizer um bom logo para Dona Maria e ela gostar do serviço voltara ao designer para novos trabalhos. Ai o designer pode começar a explicar a importância de se ter uma boa identidade, seja nos impressos, seja na ambientação de seu comércio, claro, sempre dentro das possibilidades do cliente. Então do logo, podem vir trabalhos para apliacões na sacolinhas, depois layout para uniformes e etc. E aos poucos a Dona Maria perceberá que o que esta levantando o negócio dela é tanto sua dedicação quanto fruto do posicionamento de sua identidade visual elaborada por um profissional que sabe o que faz e está sempre tentando agregar valor a marca do cliente.

  • http://nankinnocafe.blogspot.com Diogo Figueira

    Eu sou a favor e contra este tipo de pensamento, sou a favor pois penso da mesma maneira que todos merecem um BOM DESIGN – um modo xucro de dizer mas de fácil compreensão – porém penso a longo prazo, esta mercearia começa a tomar grandes proporções e a crescer, de micro empresa se torna uma grande empresa e infelizmente a cabeça da Dona Maria não cresceu junto pra ela aquele ‘desenhinho’ que você fez a 15 anos atrás ainda serve, porém ela te pagou R$ 100 e hoje a empresa cresceu , tem várias filiais desta mercearia em vários pontos da cidade e o patrimônio dela também cresceu, como fica a valorização do seu serviço ??
    Este exemplo não é ilusório ou utópico, onde moro um homem tinha um simples lanche de carrinho daqueles simples na beira da rua, hoje ele concorre diretamente com Mcdonald aqui na cidade, ampliou o negócio em 2 filiais e 1 centro de distribuição.
    Eu penso que para este tipo de cliente deveria haver uma união maior dos designers para se criar “cooperativas”, na Universidade Norte do Paraná onde estudei há um projeto de design para clientes de baixa renda como esta DONA MARIA citada, exatamente porque muito dos clientes são da roça, baixa renda ou trabalham com material reciclado, esta “ONG” de designers têm como intuito colocar os alunos para trabalharem e aprenderem na prática e ao mesmo tempo desenvolver projetos de baixo custo com uma qualidade superior, eu vi casos que o produtor rural ensacava o café em embalagem simples e por conta disto não conseguia entrar com seu produto em supermercados, com a ajuda deste projeto da universidade hoje o mesmo café por conta da embalagem e do tipo de produto se tornou um café gourmet e está na prateleira de vários supermercados da cidade.
    Eu prefiro muito mais fazer um projeto com permuta, trocar os R$ 100 em produtos, outros serviços do meu cliente, 1~2 meses em compras na mercearia do que cobrar este valor tão simplório e que a pessoa sente-se como “EU JÁ PAGUEI POR AQUILO”, quando você faz uma TROCA de serviço , EU PARTICULARMENTE penso que a pessoa sempre fica com o pensamento de “ESTOU EM DÍVIDA COM FULANO, GRAÇAS AO TRABALHO DELE HOJE MEU NEGÓCIO É MAIS CONHECIDO NA CIDADE”
    Posso estar errado, não digo que isto seja regra, são casos e casos, sou do interior e aqui as coisas não funcionam como nas grandes metrópoles, como dizia uma professora minha “eu já troquei serviço de design por sacas de laranja”, deveríamos deixar de sermes tão capitalistas, mercenários, de ego inflado e que elitizam o design cada vez, esquecendo qual a real base do design….. SUPRIR A NECESSIDADE DO CLIENTE, RESOLVER OS SEUS PROBLEMAS.

  • http://www.monicafuchs.com.br Monica Fuchshuber

    Olá Canha,

    Você está coberto de razão. Devemos ajudar o pequeno cliente a ter acesso ao Design de qualidade.

    O problema, a meu ver, será conseguir convencer esse pequeno empresário a gastar 5 x R$ 100,00, quando existem 'sites quitanda', vendendo 'logomarcas' por R$ 195,00.

    A meu ver, o maior prejuízo que esse tipo de site provoca, é fazer com que o mercado acredite que logotipos são commodities e que o designer é qualquer pessoa que saiba mexer no computador.

    Abraços
    Mônica

  • Igor Drudi

    Péssimo post.
    Trabalhar na construção de uma identidade leva tempo, tem custo e não vale R$100,00.
    Quem entrega algo dizendo ser uma identidade por este valor não utiliza metodo e/ ou processos de design, entrega simplesmente um desenho vetorial e recebe o valor justo para isso.
    Isso não é identidade. Não é Design. Sem querer desmerecer, mas um mecanico cobra mais que isso de mão de obra para um dia de serviço, assim como qualquer pedreiro esta nesta faixa.
    Se o cliente é uma pequena empresa ou profissional liberal, existem outras formas de investir em design ( design é investimento, R$100 pagos por clip arts é prejuizo) com linhas de credito para micro e pequenas empresas.
    Como sempre, a categoria dá mais um tiro no pé. Parabens.

    • Erick Ferraz'

      Igor,

      Não é o preço que define se algo é Design ou não. Semana passada eu fiz um folheto de graça pra minha e mãe. Usei todos os conhecimentos que tenho, (alinhamento, cores, contraste, resolução, etc..) E não cobrei nada. Isso quer dizer que eu não fiz Design?

      Eu posso fazer Design por diversão, por aprendizagem, por um favor pra amigos e familiares, pra caridade, pra uma igreja… O Designer (o que realmente pode se intitular assim) faz o que quiser com seu trabalho e isso é problema(ou solução) dele.

      Concordo que existem sim outras formas de pagamento mas não é sendo uns mercenários que vamos fazer nossa profissão ser valorizada. Eu faria um logo desses, e faria bem feito. Cobraria sim R$100. Oras, se eu te disser que cobrei R$ 2.000 sem você saber o preço real, ai você diria que era Design?

    • http://design.blog.br canha

      Igor,

      Você pelo jeito nem se deu ao trabalho de ler o post corretamente. Falei que não é pra fazer APENAS logos de R$ 100.

      Quem está dando tiro no pé aqui, é você, que se limita a fazer logos de R$ 5.000 e "que se dane quem não puder pagar isso". Se você não dá o braço a torcer pelo bem comum, pelo crescimento do design, não acho que você mereça ser chamado de designer.

      Abraços.

  • http://nankinnocafe.blogspot.com Diogo Figueira

    depois de refletir um pouco mais…

    "um cliente que não tem R$ 400/100 para investir em uma identidade visual realmente necessita de uma marca para sua empresa ? … de um branding ? de uma papelaria completa da sua quitanda ?"

    é meio extremista pois o ramo de pequenas empresas é bem maior que o "tio da quitanda" …
    mas o ponto é, até onde o desenvolvimento de um id. visual é um mal necessário em determinadas empresas ?

  • http://rodison.blogspot.com Rodison Ferreira

    Parabéns, ótimo post. Texto muito inteligente

  • Erick Ferraz

    Diogo,
    Micro-empresa é o tio da quitanda, pequena empresa é uma padaria com gerente, funcionários, tele-entrega, são patamares diferentes…
    E quanto ao seu ultimo post…
    Se a empresa crescer, a demanda por material gráfico também aumenta, além do letreiro, ela vai querer Banners, Flyers de promoções, um letreiro maior e mais elaborado, uniformes, cardápios, etc… E quem eles vão chamar pra isso? O cara que fez um ótimo logo por um preço camarada.
    Quando você tem abertura pra uma negociação, tem que saber jogar com isso. Você não pode ser uma lanchonete!
    Logo: R$ 500
    Logo+Banner: R$ 750
    etc…

    Fazer um preço bacana pode significar ganhar um freguês, que vai te contratar mais vezes e te indicar. A não ser que você já seja um Sr.Super-Designer que é muito bom no que faz e não precisa desse tipo de cliente.

  • Nilo

    Muito bom o texto canha!

    Eu sempre pensei da mesma forma, sempre tento encontrar uma maneira de "ajudar e ser ajudado" ao mesmo tempo e são exatamente essas coisas que venho buscando hoje em dia.

    Creio que com uma boa conversa e explicando para o cliente como funciona o processo ele irá reconhecer quem é e quem não é um designer. Precisamos não apenas aceitar esse tipo de serviço, mas explicar a diferença entre Design e "Dezigner".

    Como falaram, designer é muito orgulhoso, e isso é o fator mais ridículo que existe na nossa profissão, se não fosse por isso, não veriamos tantos micreiros por ai.

    Abraço!

  • TUDISCO NETO

    Olha, concordo com Erick Ferraz, não se é designer por cobrar R$ 500,00, 2 mil ou 3 mil. Existem várias regiões e mercados no Brasil. Não podemos pensar que todo Designer vai trabalhar para grandes empresas. Moro e trabalho em uma região com grandes clientes e pequenos, não posso cobrar o mesmo dos dois, sendo que muitas vezes os pequenos me trazem mais trabalhos que o grande.
    Deixo claro que não cobro R$ 10,00, mas não tem como sobreviver se dizer não faço abaixo da tabela, pois tem o micreiro que vai e faz baratinho e ganha mercado.
    Tem que haver um bom senso, não é porque estou no interior e cobro mais barato que os grandes escritórios, que meus trabalhos são um esculacho.

  • TUDISCO NETO

    Canha,
    este ultimo comentário foi ótimo, pelo bem comum e crescimento do design.
    e tem outra você faz um trabalho para uma empresa mais modesta, e o trabalho fica bom para a empresa (qualidade) e te remunera em um valor justo. Futuramente está empresa cresce e seu trabalho ganha uma nova vitrine, e você prestigio no mercado. isso já aconteceu comigo.
    Afinal nem todos começam com mega clientes.

  • Pedro Corrêa

    Todo designer ja foi micreiro!!! Pasmem!!!

    não pelo fato de fazer trabalhos horríveis mas pelo fato de cobrarem pouco para desenvolver logos muito boas, porém de maneira esperimental. o que o designer deveria fazer nestes momentos???? deixar de ser enclausurado e procurar alguns jovens talentos que estão inicianto no mercado e que tem certo talento para a área de branding e produção de identidade visual.

    se é para cobrar pouco e o designer não quer cobrar pouco saiba ao menos indicar o caminho ao seu cliente que, por mais que ele não queira abrir uma multinacional talvez o sócio da "dona Maria" queira e vão saber quem procurar para desenvolver algo melhor.

  • http://flickr.com/avidavista Sérgio Oliveira Jr

    Não tenho tempo nem teria paciência de ler todos os comentários, mas li o post de cabo a rabo, após ter caído aqui no blog de paraquedas.

    Achei a proposta totalmente baseada na realidade não só do profissional de designer (que não o sou), mas de vários outros. No meu caso, da fotografia, senti que a carapuça serve em vários aspectos. Sobre o orçamento do pessoal que quer algo mais simples, sobre sua exposição no mercado, sobre contribuir com a valorização do profissional, da "cena", e por aí vai.

    Sensacional o post, parabéns! E acabei de perceber que o post é do Canha, marido da Claudia, cujo blog (ddf) eu leio constantemente! Vish!

    Vai dar treta. Se a Claudia ler eu falando isso sobre fotos… mas é o que eu penso.

    Devemos dizer muitos "nãos" a quem não quer pagar o quanto vale seu trabalho. Mas ter o bom senso de reconhecer um trabalho mais simples (em desenvolvimento/resultado), aceitar fazê-lo e pelo preço (menor) que ele vale.

    Parabéns, novamente, pelo post.

    Forte abraço!
    Sérgio

  • Rafa Librenz

    Canha,

    Penso assim (ou quase assim – talvez não com ideias tão desenvolvidas quanto você escreveu) há muito tempo.

    Essa filosofia tem o poder de melhorar o mundo e deixá-lo mais bonito. Menos Comic Sans = mundo melhor.

    Essa filosofia diminui o espaço de micreiros no mercado. Se essa filosofia de trabalho for adotada por uma boa parcela de designers brasileiros, as empresas irão parar de procurar micreiros e procurar profissionais para realizar os seus projetos, pois essa é a filosofia do bom senso ao cobrar por um serviço. Não dá pra cobrar 3 mil reais da Dona Maria da mercearia. Qualquer um com bom senso concorda com isso. Cobrar 3 mil da Dona Maria acarretará em mais uma fachada com Comic Sans.

    Acho bonito pensar em fazer do mundo um lugar melhor e mais bonito com os logotipos que criamos.

    Mas cobrar tão menos por um logo não é a mesma coisa do que cobrar menos por outras coisas. E isso pode nos trazer problemas. Vou dar um exemplo:

    Uma construtora que constrói casas de 500 mil reais também constrói casas de 50 mil reais. Mas existe uma diferença brutal entre essas duas casas. Ao entrar nelas, você vê a diferença clara entre as duas. Acho que não acontece a mesma coisa com o subjetivo trabalho de criação de identidades visuais.

    Podemos cobrar menos por jobs para clientes menores, até porque esses jobs nos darão MENOS TRABALHO. Jobs que dão MENOS TRABALHO são, obrigatoriamente, jobs mais SIMPLES. Ou seja, o logotipo também vai ficar SIMPLES. E o que mais admiramos nos logos super-citados? SIMPLICIDADE.

    O que acontece? Logos de R$ 100 podem acabar tendo aspecto de logos de um milhão de reais. Alguém olhando seu portfolio pode gostar mais do logo de R$ 100 do que aquele outro, da super-empresa que te pagou R$ 3 mil pelo projeto. Claro que o cliente nunca vai saber que o logo que ele gostou no portfolio custou tão pouco. Mas ele pode deduzir, se for o logo da mercearia da esquina.

    Isso não aconteceria com a casa. Todos vão gostar mais da casa de R$ 500 mil.

    Se você gastar só R$ 50 mil, sua casa não vai ficar tão boa. Por isso é relativamente fácil de vender a casa de R$ 500 mil. Só gastando todo esse dinheiro ela vai ficar naquele nível.

    Mas pode começar a ser impossível vender um logo de três mil reais se tiver gente conseguindo logotipos fantásticos por R$ 100. É como comprar uma casa de R$ 1,5 milhões por apenas R$ 50 mil. Todo mundo vai querer.

    Designers com experiência conseguem fazer logotipos muito profissionais em 10 minutos ou menos (ganhar R$ 100 por 10 minutos de trabalho tá mais que ótimo). Mas ele não levou 10 minutos pra APRENDER tudo que ele aplicou, e é POR ISSO que ele tem que cobrar. Pelo que ele SABE, e não só pelo que ele fez. Olha o logo da Mercearia da Dona Maria no post! Tá ótimo! Acho que o Canha fez em menos de 10 minutos.

    Exemplo de um problema que pode acontecer: o Cláudio, da enorme loja de ferramentas, que fatura mais de 100 mil reais por mês, precisa de um logotipo. Ele é vizinho da Dona Maria, que havia falado uma vez que tal designer fez o logotipo dela por R$ 100. Ele vai ir falar com o designer e dizer que quer um logotipo de R$ 100 também. Porque na loja dele uma chave de fenda custa a mesma coisa pra quem é rico e pra quem é pobre.

    Aí vem o problema: Como faço pra convencer o Cláudio, que fatura 100 mil reais por mês, que ele tem que pagar (talvez) 10 vezes mais que a Dona Maria por um logotipo? Isso pode acontecer na vida real, e se acontecer, pode ser quase impossível de convencê-lo.

    Aí vêm as perguntas: Como trabalhar com esses valores baixos? Embaixo do tapete? Em sigilo? Acordo com a Dona Maria pra ela mentir que pagou mil reais? Isso tudo parece estranho. Dá vontade de abrir uma lanchonete pra cobrar tabelado e fim de papo.

    Sem falar que isso pode trazer problemas de mercado. O hiper-mercado novo que está abrindo precisa de um logotipo e está disposto a investir R$ 15 mil. Um amigo seu trabalha no escritório do mercado e comenta com o gerente que tem um rapaz na cidade, amigo dele que trabalha com isso, e é profissional. O gerente vai se informar e acaba descobrindo que o tal profissional faz trabalhos de 100 reais. Será que ele vai procurar alguém que faz logotipos de 100 reais, pra fazer um de R$ 15 mil? É difícil.

    Ao mesmo tempo que soa bem cobrar 100 reais, soa mal. Dá vontade de trabalhar por R$ 100, se surgir job, mas desde que ninguém fique sabendo.

    • Guilherme Harrison

      De todos os comentários que li, o que mais concordo é o seu. É muito difícil prever o que aconteceria se começarmos a cobrar barato para micro-empresas. Mas sua previsão é plausível.

      Será que a solução está na metodologia, cortando esse processo quase que por inteiro para poupar tempo? Ou está no final, quando o cliente pedir alterações? Um trabalho de R$ 100,00 não dá direito à mudanças, mas um investimento de R$3000,00 sim. Ou seria como o Cunha disse, concordar em fazer uma divulgação da sua empresa em todo lugar que a sua generosa criação estiver?

      Um professor meu me mostrou uma vez o caso de um arquiteto, que na última recessão dos EUA, perdeu sua empresa, por que atendia à enormes corretoras e cobrava altíssimo. Perdeu até mesmo seu escritório.
      Sem se desesperar, começou a trabalhar na rua, cobrando, segundo seu letreiro escrito em gis, 15 cents por arquitetura. O que ele fazia era dar sugestões para as pessoas, seguindo sua LARGA experiência. Em menos de um ano, alavancara novamente seus lucros absurdamente. Outro caso que ele me contou foi de uma empresa do rio que começou a fazer serviços de arquitetura na favela, a preços, como podem imaginar, BEM módicos. O resultado é que hoje eles estão precisando recusar alguns clientes pois não sobra tempo, e seu lucro é formidável.

      A razão para eu estar dando exemplos de arquitetura num site de Design, para designers, além do fato de que meu professor era arquiteto, é que a arquitetura tem MUITO em comum com o design, acreditem. Olhe para sua cidade (inteira, não apenas o centro, claro) de todas as construções dela, apenas 5% têm um arquiteto envolvido. Isso porque muitas construtoras, ou não tem dinheiros para pagar por um, ou não sabe direito o que um arquiteto faz e acha que um engenheiro faz tudo que ele pode fazer.

      Que precisamos tirar o lugar dos micreiros e popularizar o Design, disso eu não tenho dúvidas. A questão é como fazer isso sem prostituir ou auto-destruir ainda mais nossa profissão.

      E aqui vai meu pensamento mais controverso: acredito que quando maior a empresa de design, MENOS ela pode cobrar por uma logo. Simplesmente pelo fato de que o risco de se perder tempo fazendo o trabalho de 100 reais é muito menor, além de que, como uma grande empresa, um grande cliente não vai procurar um micro-conhecido para procurar um designer. Ele vai naquela famosa agência de design que anda fazendo logo pra todo mundo.

      Sou muito interessado nesta conversa e acho que é daqui que o Design brasileiro será revolucionado.

  • Jonathan

    Galera, frequento o blog regularmente mais nunca comento, decidir comentar agora pois tenho uma opinião muito clara sobre esse tipo de assunto e gostaria de compartilhar com vocês…

    Eu acho que o preço de um logotipo também tem que ser pesado pela exposição que ele vai ter, por exemplo:
    - A Mercearia da Dona Maria tem pouca exposição, de inicio apenas quem entrar ou passar na frente dele vai ver o logo, ela não tem site e não tem planos de veicular anuncios em Outdoors, TV, etc… Eu não cobraria R$100,00 dela pra desenvolver o seu logo, mais também não cobraria R$3.000,00, pela exposição que ele vai ter, cobraria de R$300,00 a 500,00, como é uma micro empresa e talvez eles não tenham verba pra pagar, mais aí que entra a negociação, você pode parcelar em 5×100,00 ou ainda fazer uma permuta com isso, de você gastar XX em tantos meses sem pagar, isso a Dona Maria com certeza conseguiria fazer.
    Agora, se uma empresa como a TV Globo, ou o Google pedir pra você um Orçamento de Redesign do logo deles (vamos sonhar alto um pouco), vamos supor que querem adicionar o ® na frente dele, teoricamente seria menos trabalhoso que fazer o logo da Dona Maria, mais eu não cobraria menos de R$5.000,00 pra fazer isso….
    O loco, R$5.000,00 por um ® na frente do logo??? SIIIIIM, uma vez que vou colocar o ® no melhor lugar que poderia ter no logo, e a exposição disso será gigantesca, todo mundo assiste a TV Globo ou entra no Site da Google, todo mundo iria ver o meu trabalho!!! Acredito que isso conta muito na hora de fazer o orçamento de Identidade Visual….

    Galera, apenas coloquei meu ponto de vista aqui, se esta certo ou errado, fique a critério de vocês!!

  • http://www.zerossetti.com José Eduardo

    Ótimo post. Realmente me fez repensar algumas coisas. Talvez, as vezes, deixamos nosso ego ficar a frente de alguns ideais e esquecemos da real função de nossa profissão.
    Parabéns, gostei muito!

  • Pingback: Tweets that mention Como cobrar R$ 100 por um logo - Design Blog -- Topsy.com

  • http://www.rodolfobicalho.com Rodolfo Bicalho

    Engraçado. Quando é para pensar na nossa "missão" todo mundo fala que o design é isso é aquilo,mas, nesse caso, não é arrogância. Quando é para ganhar dinheiro(honestamente) temos que colocar a viola no saco e nos lembrar que somos humildes profissionais.

    Gente, acorda. Nem médico trabalha de graça. E no fim das contas a profissão dele é a mais importante do mundo. Se o cara suporta ver uma fila de pacientes para atender e saber que muitos ali não vão se curar, eu suporto tranqüilamente ver um monte de logos em comicsans em fundo degrade.

    • frank

      caraca rodolfo. falou tudo hein. não tem como cobrar um preço assim. esse papo de que vai virar indicações é pura balela de quem não tem empresa pra tocar. do pessoal que come e dorme na casa do papai e não precisa se preocupar com o salário dos funcionários no final do mês. agora me fala, se cobrar 100 pilas da dona maria, e ela por ventura te indicar um cliente no futuro… primeira coisa que o cliente vai perguntar pra ela é quanto ela pagou. o que você acha que vai acontecer quando o cliente for te procurar e você disser que é outro valor… bem acima? ele vai embora, claro. um abraço.

      • rastafu

        ASUDHUASHDuASHduashduhasudhASUDH

        • BM.

          Concordo com muita coisa que li aqui, e descordo de outras… porem o que o Frank falou e A MAIOR realidade, digamos que esse boca a boca de certo e ela te indique para outras pessoas… éééééé CLAROOOOOOOOOO que ela vai falar… " ele cobra baratinho, paguei 100 pila"
          AI meu ermao, ja eraaa…. ou tu se prostitui novamente ou fala que nao vai fazer.
          O que volta ao topo da discusao ….

  • Rogério

    Olha…acho que tudo depende muito do nível de auto-estima do seu trabalho e da sua necessidade no momento…os clientes que tenho encontrado na vida são do tipo Dona Maria da Mercearia…que tem no máximo R$100 mesmo…então…como gosto do trabalho…para ter um trampinho eu procuro pensar nesses casos…o Logo que estou fazendo é meu e não da Dona Maria…então faço o melhor…e também temos que ter a seguinte visão…o Logo da Dona Maria pode abrir portas para um super trabalho que dê o lucro que necessita…então…ainda estou na fase… fazer igual para todo mundo…independente do valor…trabalho é trabalho…e como diz o Capitão Nascimento….Missão dada é Missão cumprida!

  • http://www.regisperassoli.com Régis

    Um ótimo texto, pois reflete a pura realidade, principalmente em cidades do interior, como a minha (São Miguel do Oeste – SC), onde todas as empresas são micro, e até muitos designers saídos da faculdade não são mais do que micreiros enrustidos.

    Os designers precisam exercer um pouco a humildade pra atender e resolver necessidades reais, e não ficar citando cases da Apple para uma mecânica que quer uma marca.

  • http://www.zionmaraketing.com.br Eduardo

    É cara..legal o post, mas acho que não é bem assim não..
    como o nosso amigo Rodolfo disse, eu tambem suporto tranquilamente ver varias logos com comic sans e degrade..hehehe
    claro que cada caso é um caso, as vezes é legal ajudar pra abrir umas portas e tal.. ampliar nosso portfolio etc.

    Vamos valorizar nossa profissão galera!

    De graça no way!

  • http://www.glauberkelvin.com Gláuber Kélvin

    Eu gostei do texto.

  • Pingback: Como cobrar R$ 100 por um logo? « Tothz

  • Rafael Santana

    Gostei muito do post!!
    Seria muito ruim da nossa parte, recusar trabalhos só por causa que a pessoa não pode pagar o valor certo.
    Uma coisa que meu professor disse e é legal falar. É melhor você atender uma pessoa que possa pagar menos, mas mesmo assim fazer um trabalho legal, e com isso toda vez que ela precisar de um trabalho, ela irá lembrar de você.
    Do que você recusar ou pegar o serviço e fazer um trabalho de qualquer jeito.
    Nós designers passamos por isso, mas temos que ser criativos e contornar esses problemas!!

  • Daniela Zambelli

    Muito bom! Enfrentei recentemente algo parecido com uma escolinha de Educação Infantil que queria uma identidade visual e alguns itens de papelaria para "entrar" no mercado. Era a perfeita marcenaria da Dona Maria. me dediquei, como se fosse para uma multinacional. Me senti fazendo caridade pois nem a segunda parcela do combinado a escolinha não conseguiu pagar. mas valeu meu esforço pois lá estava uma escolinha de ed. infantil a menos com cara de creche municipal.

    Adorei o artigo. Designers, uni-vos!

  • http://www.mgavideo.blogspot.com Gilson Avila

    Ola galera

    Trabalho com video e o dilema é o mesmo e acho q todos ja sabem o que fazer clientes pequenos n tem verbas grandes e sim verbas pequenas, cada qual com sua estrutura, esse texto virou tema de discussão na faculdade no meu curso de design, mas acho q todos acabam agindo de acordo com a situação, no meu caso, como cobrar um video, por exemplo um casamento se for cobrado entre R$ 1.300,00 e R$ 2.000,00 esta ótimo, lindo maravilhoso contando que vc tem que entregar um trabalho com 1:30h de edição, segue no outro comentario….

  • http://www.mgavideo.blogspot.com Gilson Avila

    agora um video institucional de 5 minutos para uma multinacional ou uma grande empresa no minimo R$ 5.000,00 e isso pode chegar a R$ 20.000,00 dependendo da complexidade do video, vamos nos basear em R$ 1.000,00 por minuto em video institucional simples sem muitos recurssos tipo gruas 3d travelling e etc.. algo simples com minuto vai ficar por volta de R$ 5.000,00 como citei anteriormente, agora imaginae usar este raciocinio para cobrar um casamento, ia ficar uns R$ 100.000,00 , dai só casamento da realeza, então acredito que com design é a mesma coisa uasamos raciocinios diferents para cobrar, pelo menos no meu caso eu faço isso.
    Abraxx a todos

    Gilson
    MGA VIDEO
    Campinas

  • http://artrafa.blogspot.com Rafael

    Suporto também ver logos ruins, mas não dou importancia ao trabalho de um médico porque ele cobra, mas sim pelo seu atendimento, e pela vontade de me ajudar e querer o melhor pra mim. É triste saber que tem pessoas morrendo porque não tem dinheiro para pagar um médico, assim como é triste ver como as pessoas não conhecem nossa profissão de designers e geralmente pensam que somos técnicos de computação ou trabalhamos em uma gráfica ou algo assim (nada contra essas profissões) mas é por isso que nosso trabalho não tem tanto valor para a maioria das pessoas e empresas, porque infelizmente muitos designers "se acham" e a "coisa toda" fica pra um grupinho seletivo, onde eu particularmente sendo um designer bom, ruim, mais ou menos, ou péssimo, ou ótimo não entrei ainda mas se o João da padaria da esquina pedir pra eu fazer um logo pra ele por 300 a dona Maria outro por 200 o Zé da Farmacia outro por 500 assim vou sobrevivendo e vejo que esses não teram logos com a comicsans em fundo degrade. Agora essas empresas como a WeDoLogos realmente encontraram essa fenda no mercado MAS FIZERAM DISSO UM LEILÃO DE LOGOS E DESIGNERS, o que deixa mais popular a profissão de designers mas com uma imagens errada do que realmente é um designer bom, mas a culma é nossa mesmo.

  • http://twitter.com/arpnasc_br Alex Nascimento

    Excelente ponto de vista Canha. Existem tantos livros que tentam ensinar como fazer um orçamento, mas, todos eles esquecem de considerar o porte do cliente.

    Não costumo rejeitar projetos para pessoas físicas, a maioria dos que rejeitei foram para empresas que queriam resultados sem investir. Ex: Fábrica de sorvetes, de pão de queijo, com filiais em outros estados, empresas que fazem negócio em cima do Design.

  • Pingback: Como cobrar R$ 100 por um logo « Seteblog – Tecnologia e Web

  • thiagotasca

    hauhaua, concordo com isso !

    • Jocirlei_

      Algumas profissões se dão o valor…. o Designer me parece o contrário.
      o cara passa anos estudando, continua se aprimorando, investe em equipamentos de ponta para desenvolver melhor o seu trabalho, pra depois fazer logozinha de R$ 100,00
      Vá pedir pra um arquiteto fazer um projetinho de R$ 100,00????

      • Thiago Tasca

        nossa eu vi esse comentário só hoje, você não está errado é lógico que um arquiteto não vai fazer um projeto por 100,00 reais mas pra que pagar uma quantia absurda pra alguém me dizer como eu devo fazer minha casa ? sendo que o pedreiro amigo meu faz na “faixa” ou por um preço “bacana” tendo um teto já ta bom ! é esse o pensamento de todo cliente que fala que teu produto final ta caro, hoje em dia eu aprendi avaliar meu trabalho e cobrar o que eu acho justo pro cliente e pra min, eu não tenho faculdade mas passo dias me aprimorando, estudando, investindo em equipamentos e vem muita gente me falar que eu não posso cobrar um preço mais caro só por que eu não tenho o tão bajulado e ostentado canudo ? é muita hipocresia da parte de alguns designers, sendo que muitos que se formaram ou antes de terminar a faculdade cobravam a mesma micharia que os micreiros e hoje cobram um absurdo, e muitos “deles” tem um trabalho lixo ( já vi muitos designer formados com portólio que da até vontade de chorar ), que axa que falando que o logotipo final dele passa força e segurança por ser um escudo.

      • Katia Bonfadini

        Concordo plenamente! Não é uma questão de ego nem arrogância como alguns comentaram, é uma questão de valorizar nosso trabalho, experiência, tempo… Isso sem contar que a gente precisa se sustentar! Não sou rica, não vivo de renda e preciso conseguir um mínimo para pagar as contas no fim do mês. Com 13 anos de experiência na área, eu realmente não acho que compense aceitar um trabalho como o da mercearia. É claro que, se a dona da mercearia for a minha tia, eu faço de graça! Pra recém formados, acho que também pode ser um bom negócio desenvolver Logos para pequenos comércios de bairro a fim de colocar a teoria em prática, treinar, estudar e ganhar experiência. Ótima discussão!

        • Ravi Oliveira

          Existe todo um sindicato, associações e regulamentação para os arquitetos, para construir qualquer prédio precisa de assinatura do arquiteto, isso sim é ter força. Os designers precisam ter mais força como classe, apoiar o projeto de regulamentação do Desenho Industrial. Para tornar obrigatória a assinatura de um Desenhista Industrial em um projeto de Design. Por isso que um engenheiro e arquiteto recém formados recebem salários iniciais de 5~6 mil reais por mês e alguns ainda recusam porque é muito pouco. O Designer precisa reconhecer o próprio valor da sua profissão.

  • http://analisedesistemas.wordpress.com Luciano

    Muito bom o post. Parabéns!

  • http://www.revistaopiniaopublica.com.br Kirk Douglas

    Normalmente eu cobro entre 500 a 1.000,00 para criar um logotipo.
    Visito a empresa do cliente. Converso com os funcionários. Faço uma pesquisa com os consumidores que compram o produto. Passeio pela área onde a empresa está instalada e, por fim, monto o projeto no lápis, depois finalizo no PC.
    Tenho várias logo criadas. Caso alguém se interesse em conhecer, basta digitar no facebook desta forma: Jornalista Kirk Douglas

  • Emerson Nóbrega

    Não adianta, você fica conhecido pelo que faz, é o seu branding. Para aumentar a demanda de trabalhos começei a anunciar no Google Adwords, no começo fiquei contente, pois começou a chegar diversos pedidos de orçamento, porém percebi que a concorrência nesse tipo de anúncio é brutal, o pessoal cobra tão barato, é inacreditável. Estou pensando em tentar algo diferente, de alguma maneira começar a injetar valor na minha marca, assim, o "futuro cliente" ao entrar em contato comigo já vai saber que não faço marcas por R$ 200.00. Isso leva tempo, trabalho e paciência.

  • Pingback: Como cobrar R$ 100 por um logo – Design Blog | Ideia Visual

  • geneck

    Olá, gostaria de uma ajuda/dica: tenho um blog (geneck.wordpress.com) e uma marca me convidou para criar um blog para eles e escrever posts diários. Como nunca fiz esse tipo de trabalho não tenho a menor idéia de quanto se cobra para criar (fazer a arte, etc) e quanto se cobra para escrever. Você consegue me dar uma dica/sugestão?
    Muito obrigada! ;)
    bj

  • Weuller

    Me formei faz pouco tempo em Design. Quatro dias. Mas atuo no mercado desde 2000, antes de me formar em Publicidade e Propaganda. Descobri que trabalhar pra micro-empresários, era mais lucrativo do que encarar um job de um mês, pra uma empresa maior. Descobri também que, a propaganda boca a boca desse pessoal que não tem grana pra bancar um mega projeto que vai resultar em um logotipo, paga de maneira correta, sem calotes ou enrolação.

  • Aprendiz

    Muito bom.
    Então se você que é o bonzão faz logos para as mercearias por R$ 100,00 então eu vou oferecer meus serviços por R$ 50,00.
    Desse jeito vamos atender a micro-empresas e melhorar o mercado. R$ 50,00 por mês tá bom demais.

  • http://www.imagetica.net/blog Garcia Junior

    Ótimo texto e você foi ousado (no bom sentido) ao falar abertamente o que muitos colegas não tem coragem de assumir: nem todo negócio/empresa precisa de uma IV completa. O foco de pequenos escritórios de design (meu caso) pode e deveria ser micro-empresas pois vc pode trabalhar com um volume razoável de clientes mantendo um preço justo e condizente com a qualidade tanto do seu expertise qto ao que o cliente espera. Particularmente não faço orçamento pelo "porte" do cliente e sim pela dificuldade técnica/conceitual/mercadológica do segmento de atuação do cliente.

  • tiago dutra

    sinceramente, existe casos, que o pequeno cliente da tanto trabalho, mais, tanto trabalho… que os 100 se tornam em um maior prejuízo.
    pra mim 03 visitas num cliente desses já é a maior furada!
    estou começando a entender a frase “selecionar seus clientes” eu prefiro passar a bola, do que passar raiva.
    o tempo que vc perde com o fumo é melhor vc investir em procurar melhores trabalhos, porque tem cliente pelo menos aqui na minha cidade que: quer pagar 100 e te cobra um produto final com cara de 500. depois que inventaram o google não tem ninguém mais bobo.
    ae como vc vai resolver essa bucha depois do serviço pego?
    meu lema é: deixe o osso pra quem gosta de osso e corra atrás do filé.
    abraço a todos

  • Carlos Henrique

    Muito bom o post. eu comecei assim com várias "Dona Maria" e hoje faço campanhas e outros serviços para loja Victor Hugo do BarrashoppingSul e Shopping Praia de Belas, umas das minhas clientes "Dona Maria" foi quem indicou meus serviços.
    No meu bairro abriu uma microempresa de recarga de cartuchos e manutenção, sabendo das usas limitações (investimento) ofereci meu trabalho por recargas de cartuchos e divulgação, hoje em casto mais em recargas.
    Se nós pensar um pouco antigamente funcionava desse jeito, se eu sabia fazer alguma coisa e precisava de comida eu oferecia meu conhecimento para pessoas que tinham comida :)

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002575588996 Giliard Santos Silva Nogueira

    Adorei o texto mais concordo com othe flaming pie, infelizmente corremos o risco de ficar estagnados por conta desse tipo de coisa!

  • Dani Kuerten Scheidt

    Adorei o post, sempre fico em dúvida do que cobra. As vezes cobramos e acham caro e já me aconteceu de cobrar um valor e o cliente oferecer mais, vcs acreditam. É isso mesmo…ficou tão contente com o resultado, que me pagou mais…Foi bom para vc? Para mim tbém…hehehehehe

  • http://www.facebook.com/people/Shiruba-Maranhao/100002197635845 Shiruba Maranhao

    Muito bom !
    estava com a duvidade quanto cobrar ! estou desenvolvendo um logo para um Lanchonete !
    mas não sabia quanto cobrar !
    desenvolvi três Opções para a cliente , Duas simples e Objetivas e Uma mais Definina !
    Apartir o que a cliente me falou sobre o que vai vender, cores etc etc..

  • Maurício Coelho de Moura

    Acredito muito no cada caso é um caso! Pensem nisso! Muitos fatores giram ao redor do preço do produto do Designer. Acabo de solicitar o preço para criação da identidade visual de uma nova empresa para uma agência de publicidade e me passaram entre 4 e 8 mil. Portanto acho que até os valores aqui citados estão deficitários e lembrem sempre somos nós quem determinamos o valor de nosso trabalho. Muito massa essa discussão! Parabéns a todos!

  • Allan Alves

    O assunto é muito bom, mas aqui comigo é diferente. O pessoal quer de graça. Por mais que me esforce aqui na minha região existe a concorrencia desleal e ai fica muito dificl.

  • @gabiigabiix

    Para mim é simples: se você é um designer que já está em condições de negar clientes por puro ego, vá em frente, negue à Dona Maria. Claro, que se a sua carreira evoluir não tem porque fazer qualquer coisa que vier.
    Entretanto, se você ainda está no começo da carreira, não tem porque negar à dona Maria. É só aprender a nivelar o seu trabalho! Não precisa fazer um trabalho de semanas, pois não é isso que a dona da mercearia quer. Mas se aceitou o trabalho, faça bem feito e NÃO seja arrogante, prepotente, ou pior: desdenhoso.

  • http://www.facebook.com/nandobenfica Luiz Fernando Benfica

    Adorei o texto, essa era uma duvida muito frequente. Obrigado

  • Designer de verdade

    por Cem reais eu não ligo meu computador.
    Quando me formei, 8 anos atrás, aceitava qualquer trabalho, fazia baratinho pra amigos e parentes, várias donas marias…. O que acontece? vc fica com fama de barateiro, ninguem valoriza os 5 anos de faculdade e experiência. Hoje em dia cobro de acordo com o porte da empresa e para os pequenos que não tem como pagar eu parcelo em até 6xs. mas vender identidade visual a preço de banana é de foder! prejudica quem estuda e realmente tem competência. Lógico que vai ter micreiro dizendo ” eu não estudei e tenho competência”, a esses eu digo : se abracem com a dona maria e vão pra PQP pq o pão francês em curitiba tá 8,90 o kg. Brasilzão é assim, todo mundo quer ganhar, investir ninguem quer,

  • http://www.facebook.com/matheusbaumgart Matheus Baumgart Costa

    Cara, o negócio é fazer permuta! Faço a logo por 6 meses de pães grátis! sempre funciona com cliente pequeno e sem verba.